Total de visualizações de página

segunda-feira, 13 de julho de 2009

A Espiritualidade plena de luz      A ESPIRITUALIDADE PLENA DE LUZ


A espiritualidade é uma manifestação da realidade psíquica do ser humano. A consciência espiritual começou a despertar na mente humana , ja no homem de Neandertal, que enterrava seus mortos com reverência e algum ritual, por acreditar na continuação da vida espiritual.
Por paradoxal que pareça, para entendermos a espiritualidade humana é bom seguirmos os passos do progresso da ciência, que reduzindo a matéria no seus elementos chegou à energia escura , sem massa que pervade 74% do cosmo observável.È o fundo imóvel de energias em equilíbrio que quando vibra cria matéria e consciência cognitiva, é a causa em potência que se transforma em ato. "Aristóteles".
Todo o universo material, inclusive o homem, provem de um processo organizacional ascendente, da não matéria para partículas, átomos, moléculas, e células neurais.... Portanto podemos identificar essa não matéria como um oceano espiritual no qual estamos submersos e em contato permanente ,célula por célula.
Interagimos constantemente com esse "Uno" espiritual através da nossa mente nos seus três níveis de consciência: espiritual, emocional e racional.
O nível racional ou consciente é o mais recente desenvolvimento dos humanos, tem sua estrutura neural no córtex cerebral com conexões em série, o pensamento é processado por ondas cerebrais que são interpretadas pelo nível espiritual.
O nível emocional ou inconsciente, instintivo nos animais, é inerente à vida em todas as suas formas, nos ser humano suas conexões neurais estão por todo o sistema nervoso em redes paralelas, seus registros são processados por ondas cerebrais que também são interpretados pelo nível espiritual.
O nível espiritual ou superconsciente é a essência do programa do ser que precede a existência, no ser humano a consciência espiritual atua na base cerebral com uma onda de 200Hz (descoberta recente) que faz a leitura das ondas do consciente e inconsciente e devolve informação com inteligência, emoção e consciência, portanto a consciência inteligível e emocional é processada no cérebro e interpretada pelo espírito.
Com o entendimento da ciência do ser espiritual, torna-se compreensível o poder da oração e da meditação, pois ambas requerem a focalização do pensamento em algum propósito, e as ondas do pensamento não precisam ganhar as alturas para chegar até Deus, pois o seu espírito está em contato conosco, célula por célula. "Vale lembrar o que foi dito há dois milênios: "O reino de Deus está dentro de vós" ou "Deus é espírito, e importa que os que o adoram, o adorem em espírito e em verdade" ou " A verdade vos libertará".
Até agora o que foi conseguido em termos de saúde, alegria e paz de espírito por poucos pela fé, poderá ser alcançado por muitos pelo entendimento. Santo Agostinho escreveu: "Compreender para crer, crer para compreender", porque ele acreditava que não só o credo, mas também a razão aproxima o homem de Deus.
E assim a aventura humana vai chegando ao seu topo com mais compreensão e consciência espiritual.
Ivo da Silva Bitencourt 03/120/2008

34 comentários:

Gabriel disse...

Oi Ivo, eu sou do comotdevoluiu muito obrigado pelo comentário postado em meu blog, eu concordo com a visão de Deus segundo Spiosa. Gostei do seu blog, ele fala sobre tudo que me interessa: ciência, religião, filosofia... Valeu mesmo, desculpe meus erros de interpretação da Teoria do Big Bang, acho que realmente não deixei claro sobre a transformação da energia em matéria, mas eu realmente não quis tornar o post muito complicado, tanto que deixei o vídeo de aprofundamento, um vídeo que acho excelente.

Gabriel disse...

A antimatéria não é a mesma coisa que matéria escura. A antimatéria é um tipo de matéria formado por partículas positívas girando em em torno de um núcleo negativo. Matéria e antimatéria se aniquilam num único toque, liberando quantidades colossais de energia, por isso não seria possível que 90% da massa do universo fosse antimatéria, salvo se ela estivesse isolada da matéria. O que você chamou de antimatéria é, na verdade, matéria escura, algo misterioso que só pode ser detectado através da sua gravidade, sobre ela, não sabemos quase nada.

Gabriel disse...

E além disso ela tem massa.

IVO BITENCOURT disse...

Oi Gabriel, fiquei satisfeito com a tua postagem no meu blog, ja li o teu e gostei, também vi o vídeo. Está correta a tua descrição da antimatéria, terei que corrigir. O que eu queria dizer é que a ciência reduziu a matéria massiva até chegar ao vácuo quântico ou energia escura que é diferente da matéria escura, a pouco conhecida, mas corresponde a 22% do univérso observável.

Gabriel disse...

Não entendi muito bem como eles chegara à energia escura reduzindo a matéria massiva. Para mim eles só sabiam sobre a matéria escura devido à aceleração do nosso universo, quando deveria retardar (como acontece numa explosão comum, afinal a energia escura é indetectável). Se puder me explicar melhor sobre essa história de vácuo quântico eu agradeceria.

Gabriel disse...

É uma pena que a ciência e a religião estejam em guerra constante. Nenhuma das duas podem explicar o universo sózinhas. A teoria das cordas ( a melhor candidata à tão sonhada teoria de tudo) ñ passa de filosofia, e é tão inprovável quanto a existência de um Deus, como muitos físicos já confessaram. Eu acho q se os cientistas dessem mais ouvidos ao seu lado espiritual, e se os espiritualistas ao seu lado científico, tudo seria melhor. Estaríamos progredindo. Infelizmente isso não é tão fácil. Eu mesmo tento não falar sobre religião em meu blog por enquanto. É como disse Louis Pasteur: "um pouco de ciência nos afasta de Deus. Muito nos aproxima."
É horrível ver pessoas que se prendem à sua religião como se aquela fosse uma verdade indiscutível. Que realmente acreditam que Deus criou o mundo em seis dias e descançou no terceiro. (sendo q criou a luz no 3ºe o Sol no 5º, e sequer criou a Terra, a bíblia dá a entender q essa sempre existiu)
Será que é tão difícil perceber q ela se trata de um relato poético, em linguagem metafórica. Se alguém chegasse naquela época falando sobre relatividade, física quântica e teoria das cordas, ninguém ia entender nada. A bíblia é o mais perto que eles podiam chegar da realidade. É um livro pra ser lido, seguido, interpretado e estudado + ñ para c seguir cegamente.

IVO BITENCOURT disse...

Gabriel,desde os pre-socráticos, Tales de Mileto, Anaximandro e naximenes,que esses pensadores se interrogavam do que consistia a phisis, do que era feita a matéria. Mais tarde, Leocipo e Demócrito propuzeram que que matéria era composta de átomos,e essa idéia ficou parada até o século 19. Dai por diante o átomo passou a ser estudado como uma realidade da matéria, como uma energia em movimento composta de partículas menores, como prótons,neutrons e elétrons que provinham de Quarques, que provinham do bosom Higgs que é a primeira partícula de energia em movimento num oceano de energia parada e escura que é o vácuo quântico. Então a ciência percorreu o caminho inverso da auto-criação da matéria que compôe o universo observável , inclusive o homem e sua consciência. A matéria é energia em movimento, quando cessa esse movimento a energia decai ao seu estado de repouso, que é a energia escura, ou vácuo quantico. Ivo Bitencourt

Gabriel disse...

Até onde vai meu entendimento do assunto, o que ocorreu foi o seguinte:
O universo está se espandindo, disso não há dúvidas. Quando ocorre uma explosão, há uma aceleração negativa, ou seja, a velocidade de "afastamento" da matéria começa com uma velocidade alta e decresce com o tempo. Quando se mediu a aceleração do nosso universo, buscando provar essa hipótese, ocorreu algo inesperado: descobriu-se que o universo está acelerando!!! Isso significa que deve haver alguma energia que o esteja repelindo, é o que chamamos de energia escura. (e é escura, porque NÃO podemos detectar)
Agora, vácuo quântico é diferente. Pelo que eu pesquisei, o vácuo quântico não é exatamente um vácuo, pois nele há:
*Uma quantidade mínima de energia,
*Campos eletromagnéticos e gravitacionais *Partículas virtuais (partículas de força)
Se o vácuo quântico fosse realmente um vácuo, isso iria contra o Princípio da Incerteza de Heizenberg.
Você já deve saber que o Princípio da Incerteza diz que não podemos mensurar a velocidade e a posição de uma partícula num mesmo intervalo de tempo, pois quanto mais precisão damos à velocidade, menos damos à posição e vice-versa.
Se houvesse mesmo um vácuo quântico, não haveriam interações eletromagnéticas e gravitacionais, e a posição da partícula e sua velocidade seriam determinadadas, o que vai contra o Princípio da Incerteza.

Gabriel disse...

As duas explicações mais pausíveis para a energia escura são:
*A Constante Cosmológica de Einstein.
*Uma prova de que a Teoria de Relatividade é incompleta e precisa ser substituída por uma mais ampla.
Eu, mesmo não tendo conhecimento suficiente para julgar, sou um defensor da segunda hipótese. Há muito percebemos as incompatibilidades entre relatividade e mecânica quântica. Eu sou um admirador e defensor da teoria unificadora das cordas. Ela, além de unir a relatividade à mecâncica quântica, pode explicar a energia escura, pois seu campo permite sua existência sem atribuir-lhe valores específicos.

Gabriel disse...

Ivo, sua postagem é ótima. Você escreve bem e trata de assuntos interessantes. Gostaria que não desanimasse e publicasse novas postagens. Grato, Gabriel.

Gabriel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Gabriel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Gabriel disse...

Ivo, acabei de criar uma página de discussão filosófica, acredito que você iria gostar. Passa lá no meu blog e clique em página de discusão ou entre direto por esse endereço: http://comotdevoluiu.blogspot.com/p/pagina-de-dicussao.html
Obrigado

Gabriel disse...

Tbm criei uma pagina de discussão em meu outro blog o poeminhasqueescrevo.blogspot.com, apesar de ser um blog sobre poesia, as discussões serão bastante filosóficas. Link: http://poeminhasqueescrevo.blogspot.com/p/pagina-de-dicussao.html

IVO BITENCOURT disse...

Caro Gabriel.
depois de uma internação hospitalar de 27 dias, para uma cirurgia, dei alta hoje. Por isso o meu silencio. voltarei a abordar os temas: Origem do universo, o universo antes do big. bang, origem da vida, consciência cognitiva, consciência intuitiva e consciência espiritual.
Ivo Bitencourt

IVO BITENCOURT disse...

O UNIVERSO ANTES DO BIG BANG

Para entendermos a auto criação do universo, temos que partir do nada material,
uma energia escura sem massa em estado de repouso ou vácuo quântico. Porque se fosse criado a partir de uma matéria existente não seria o início e sim uma etapa da criação.
Um sistema fechado sempre está sujeito à flutuação do ponto zero. Havendo o deslocamento de uma energia, receberá uma resistência em sentido contrário, como um pêndulo, iniciando um movimento ondulatório, e estará criado o espaço e o início do tempo. O vácuo em estado de repouso se opõe às forças de compressão ou expansão, mas a vibração de uma energia é natural, pois o espaço já foi criado, haverá apenas a troca de posição no espaço em instantes de tempo ad-perpetum.
A matéria é energia em vibração, a ciência percorrendo o caminho inverso da criação, decompôs a matéria em seus elementos constituintes até chegar à energia parada, onde não existe o espaço e o tempo, mas contêm todas as possibilidades de existência, inclusive o homem e sua consciência.
A primeira vibração do vácuo concentrou a energia num espaço reduzido, produzindo o aumento da velocidade da vibração pelas forças de compressão e expansão, gerando a primeira partícula, o bóson de Higgs que se desdobrou em Quarques, que se desdobraram em Prótons, Nêutrons e Elétrons, e estavam criadas as partículas para a montagem dos átomos de hidrogênio, formando um universo desse gás, sujeito à atração gravitacional, para formar estrelas e dar início à produção em série dos elementos químicos que compõem o universo atual.
Ésta, deve ter sido a trajetória da auto criação do universo, se houve uma grande explosão foi muito depois que o universo já estava criado.
Se não foi assim, teria que haver uma inteligência fora desse sistema, como supôs Platão, um deus, o demiurgo (“fabricante” ou “artesão”), que, contemplando de fora como observador, tratou de produzir suas experiências de criação, sujeitas a erros de percurso, culminando com o acidente de uma grande explosão. Para depois seguir com novas experiências, inclusive a vida, tantas vezes interrompida aqui na terra, e teríamos que perguntar, quem criou esse demiurgo? E assim sucessivamente.
É muito mais lógico o panteísmo de Anaxágoras, Giordano Bruno, Spinosa e outros, que Deus é a natureza. Se a matéria é energia em vibração, como disse Virgilio, (“Mens agitat molem” o espírito anima a matéria). O espírito de Deus ou vácuo quântico se expressa na matéria, tornando-se o UNO de Plotino. Portanto, Deus é espírito e matéria, se não fosse assim nem estaríamos nos referindo a Ele.
A tradição mística, sempre divinizou o espírito e erroneamente demonizou a matéria, agora as religiões deverão assimilar essa nova compreensão da realidade, para se reconciliarem com o divino, sob pena de continuarem ofendendo a Deus.
Pelo exposto, deduz-se que a auto criação é dinâmica, não segue nem um propósito, como disse o sofista Protágoras (não há nada decretado no céu para ser cumprido na terra, o homem é livre para fazer e desfazer o que lhe aprouver para o seu destino). Tanto é assim, que o futuro da humanidade é incerto, vai depender da ação dos governantes das nações.
A ciência descobriu Deus, com outros nomes, embora não admita, mas para nós pensadores teístas basta, para continuarmos a nossa fé justificada.

Ivo da Silva Bitencourt -30/12/2009

9

IVO BITENCOURT disse...

Dois milênios de pregação evangélica e a humanidade sempre piorando, foi em vão o sacrifício na cruz. È porque o deus da tradição mística, mitológica, dogmática e doutrinária não existe, foi criação dos homens à sua imagem e semelhança. Jesus não acreditava no deus de Moizes, à beira do poço de Jacó ele revelou o Deus verdadeiro à samaritana: Deus é espírito. E importa que os que O adoram, O aderem em espírito e verdade, e não será nos montes
nem nos templos que O adorarão, noutra passagem ele disse, quando orares ao Pai que esta nos ceus,te recolhe às quatro paredes do teu quarto e ores em oculto, que o Pai que vê em oculto te atenderá.
mas as religiões não entenderam assim e optaram pelo mercado da fé, confundindo os crentes,por isso a humanidade tem piorado.
mas a ciência encontrou Deus, sem querer, com o nome de energia escura ou vácuo quântico, a fonte geradora da criação da matéria e do universo, inclusive o homem e sua conciencia, a ciência está nos revelando o espírito de Deus, que jesus ja tinha anunciado. E a "verdade vos libertará".

Gabriel disse...

Ivo, matéria escura difere de energia escura que difere de vácuo quântico.
São três coisas completamente diferentes, não as confunda.
Já expliquei cada um dos termos anteriormente. Isso é apenas uma crítica construtiva que poderá apagar se quiser. Mas por favor, corrija seu post. É uma postagem muito bonita para ser estragada por um erro de definição como esse. Obrigado
PS.: Dá uma olhada nas páginas de discussão do meu blog.

IVO BITENCOURT disse...

Eu postulo um universo surgido do nada quântico passando por transformação do bosom higgs em quarques, prótons, nêutrons até a composição dos primeiros átomos de hidrogênio. Formando um universo singular desse gás, sujeito a atração gravitacional, para se comprimir até a fusão nuclear, sintetizando o gás helio e assim sucessivamente para formar os outros elementos que compõem a matéria, mas já estava criado o espaço-tempo pela vibração de energia.
Portanto se houve uma grande explosão da matéria, liberando poeira e energia em forma de luz, calor e radiações cósmicas. Seria o início da formação de estrelas, sistemas planetários e galáxias do universo atual. Assim o Big Bang não seria a explosão de um universo já formado. A radiação de fundo pode ser o eco da explosão da matéria, não do universo.

IVO BITENCOURT disse...

Gabriel.
Muito grato pelas tuas observações.
O que eu entendo, a energia escura,é uma energia em repouso sem movimento,sem massa, que corresponde a 74% do universo observável.
A matéria escura, é uma energia de baixa dencidade material, mas pode ser detectado seu campo gravitacional, e corresponde a 22% do universo observável.
E o universo material coresponde a só 4%, submerso num oceano de energia escura e matria escura.
Quanto ao vácuo quantico eu gostaria que tu me explicasse melhor. Ivo Bitencourt

Gabriel disse...

OK. Suas definições de matéria e energia escura são precisas, o problema é exatamente esse: o vácuo quântico. Acontece que eu também não tenho muito conhecimento a respeito disso. Tudo o que sei é que vácuo quântico é o espaço entre diferentes orbitais de um átomo. Esse nome vem da antiga idéia de que ele era composto por um nada, um espaço vazio. Atualmente se sabe que contém uma quantidade mínima de energia, campos eletromagnéticos e gravitacionais além partículas virtuais (partículas de força) interagindo entre si. Essas partículas estão a se criar e se aniquilar a todo momento.

Gabriel disse...

Os erros em suas definições encontram-se no segundo parágrafo de seu post. Lá você diz que vácuo quântico e antimatéria são a mesma coisa. Meu ultimo comentário explica o vácuo quântico e meu segundo a antimatéria.

Gabriel disse...

A seguir você diz que o vácuo quântico ou antimatéria (que como já disse são coisas diferentes) são uma substância escura, sem massa, que corresponde a 90% do universo. Bom, a substância escura que corresponde a 90% do univeso é a matéria escura, não o vácuo quântico, nem a antimatéria. E além disso ela tem massa, tanto que essa é única maneira de detectá-la (interação gravitacional).

Gabriel disse...

Por último fica o convite a expor sua opinião no fórum de meu blog. Acesse http://comotdevoluiu.blogspot.com/p/pagina-de-dicussao.html
e
http://comotdevoluiu.blogspot.com/p/forum-sobre-origem-do-universo.html
Ou, se preferir vá até o meu blog e clique em Fórum - Sobre a Curiosidade Humana a Respeito de suas Origens
e
Fórum - Sobre a Origem do universo
Grato,
Gabriel

IVO BITENCOURT disse...

Gabriel.
É verdade, aquilo ali ta uma imgronha, foi escrito numa época que eu não distinguia muito bem as diferenças dessas qualidades.
Agora eu não sei como corrigir, pois não consigo alterar o texto.
Ivo Bitencour

IVO BITENCOURT disse...

ALEGORIA DA ORIGEM DOS UNIVERSOS

No principio o espírito de Deus pairava nas trevas da eternidade, e o seu reino era a energia escura, onde não havia espaço para nada. Nem tempo, pois o tempo não passava. Nem velocidade, pois não havia espaço para percorrer. Nem luz, pois não havia nada para iluminar. Nem gravidade , pois não havia nada para atrair.
Então Deus pensou, EU SOU potestade, e vou expressar a minha onipotência na natureza. Que haja luz e Bem-Aventurança nos universos que se formarem. Logo o espírito de Deus em ondas vibratórias abriu espaço para deslocar sua energia, na velocidade da magia, iniciando o tempo da existência material, numa singularidade de partículas Higgs, super corda e potência primordial da matéria.
A super corda Higgs, vibrando em ondas de grande amplitude, logo desintegrou-se em sei tipos de Quarks (partículas de ondas de menor amplitude e maior freqüência), que também se desintegraram em pares de prótons, nêutrons e elétrons (partículas de carga inversa), que se combinaram para formar os átomos, do mais leve hidrogênio ao mais pesado urânio. E assim estava formada a matéria para criar os universos. Viu Deus que a matéria era boa, mas ainda tinha muito por criar.
Neste estágio a criação seguiu por duas vias, átomos com núcleos de cargas opostas começaram a se aglutinar em campos diferentes, iniciando a criação de dois universos com históricos distintos. No caos da poeira cósmica surgiram pontos de aglomeração de matéria, que foram aumentando até esmagar o seu núcleo, desencadeando uma fusão nuclear, queimando hidrogênio como combustível, verdadeiras fornalhas atômicas ou estrelas, que irradiam luz e calor.
Em torno das estrelas começaram orbitar corpos menores , formando-se sistemas planetários. Surgiram também estrelas gigantes (buracos negros) que não deixam escapar nem a sua própria luz, tal é o seu poder de atração que sistemas planetários inteiros gravitam em sua volta, formando as galáxias.
No planeta terra há 3,5 bilhões de anos atrás, já estavam formadas as plataformas terrestres, os mares, os rios e ocorriam chuvas com abundância, mas não havia nenhuma espécie de vida. E o espírito de Deus pairava sobre as águas dos mares primitivos. Então Deus pensou, aqui é um lugar próprio para se desenvolver algum tipo de vida. Que haja vida nas espécies que se formarem e domine sobre todas as outras àquela que desenvolver a inteligência e a consciência que EU SOU seu Deus em espírito e verdade e que ande nos caminhos da Bem-Aventurança, porque este é o propósito para o meu reino.
E o espírito de Deus, em ondas vibratórias, animou as moléculas dos ácidos nucléicos que já estavam se formando no barro dos banhados e pântanos, e o DNA se tornou uma estrutura auto-ressonante, com a

IVO BITENCOURT disse...

continuação
propriedade de produzir cópia de si mesmo e rodar o programa metabólico das células bacterianas primitivas, iniciando uma trajetória evolutiva até chegar ao estágio atual.
E viu Deus que a sua criação era boa e perfeita e disse: Que haja manhã e tarde em todos os dias da existência terrena; que a humanidade na sua inteligência, tome consciência que todos os homens e mulheres são filhos e filhas de Deus e foram chamados a participar na administração do meu reino na terra, para promover a justiça e a paz entre os homens de boa vontade, até que a Bem-Aventurança alcance todas as criaturas viventes. E assim seja.

Ivo da Silva Bitencourt 28/02/2006

IVO BITENCOURT disse...

O DESPERTAR DA CONSCIÊNCIA

A aventura humana começou há 500 mil anos atrás, quando a primeira espécie humana o Pithecanthopus eretus, ou seja, o “homem macaco em pé”, descendo das árvores para se alimentar de caça miúda , enfrentou seu primeiro desafio, o de se proteger dos seus predadores. Para enxergar mais longe ele precisou andar em pé, desenvolveu a habilidade de atirar pedra e fabricou a primeira lança de vara de madeira com ponta aguçada por lasca de pedra, e assim teve início o desenvolvimento da consciência humana.
Neste período de tempo que abrange o paleolítico (era da pedra lascada), o Neolítico (era da pedra polida), até aproximadamente 5,000 anos a/C. Sucederam-se outras espécies pré-históricas, como o Sinânthropus pekinenses, o homem de Fontéchevade, o homem de Neanderthal (o homem das cavernas) e o homem de Cro-Magnon. Este último já com a abóboda craniana bem desenvolvida, aproximadamente igual à média moderna, atingindo a estatura média masculina de 1,80 m. Sendo talvez absorvidos mais tarde pelas raças posteriores que o sucederam e se espalharam por todos os recantos da terra.
O desenvolvimento da mente consciente surgiu pela necessidade do homem primitivo entender os fenômenos da natureza, de se adaptar ao meio em que vivia e inventar ferramentas que lhes facilitassem a sobrevivência. Esse desenvolvimento foi conseguido pela experiência dos erros e acertos que foram se acumulando na sua memória.
A mente inconsciente é inerente à vida, é o programa de vida em cada espécie. A nível de inconsciente a essência precede a existência, ao passo que no plano consciente ocorre o contrário, segundo Sartre, “a existência precede a essência, o homem constrói a si mesmo.” A memória da mente inconsciente, é profunda e cumulativa de todos os conteúdos psíquicos arcaicos da existência do ser, que só afloram ao consciente em momentos especiais de emoção. Transmitimos para os nossos descendentes a bagagem psíquica do inconsciente, mas não transmitimos os conhecimentos do consciente.
A mente consciente é uma propriedade emergente da evolução biológica e psíquica do ser. A espécie só começou se diferenciar dos animais quando começou a ter memória dos sentidos, principalmente da visão, para orientar a sua vontade em direção aos fenômenos ou objetos, a serem entendidos ou modificados. A partir da visão, da memória e da vontade, a consciência humana está em constante evolução. A mais recente é a consciência ecológica.
A criação da visão, utilizando a luz, foi uma tecnologia de ultima geração no seu tempo. Foi o que permitiu que a natureza contemplasse a natureza. Foi como se o criador quisesse ver através de nós,

IVO BITENCOURT disse...

Continuação.
com olhos naturais, a extensão da sua criação. Mas para isso foi preciso dotar o observador de uma mente consciente, porque os animais não fazem juízo de valor, vivem sempre no presente, ao passo que homem é um animal histórico, tem consciência da sua existência e finitude. “O homem é o único animal que sabe que vai morrer, e mesmo assim consegue ser feliz.” Aristóteles.
O homem na sua curta existência repete os principais estágios da evolução da vida. Tem seu primeiro desenvolvimento no útero materno, envolto num líquido semelhante à água do mar, “onde se originou a vida”. Nasce, engatinha e aprende andar em pé, como fizeram nossos ancestrais pré-históricos. Aprende falar, ler, escrever e toma consciência que pode construir o seu futuro.

Ivo da Silva Bitencourt 31/05/2007

Gabriel disse...

Porque você não posta esses textos?
(Como assim não consegue modificar? Está dando erro? Isso nunca aconteceu comigo, ou você não sabe como modificar? Vai em www.blogger.com faça loggin se não estiver logado e clique em editar postagens, e também em nova postagem para publicar esses textos que você pos aqui) Ou você esqueceu sua senha? Se você esqueceu a senha eu aconcelharia que você salvasse esses textos em algum lugar e criasse uma nova conta, já que você só tem uma postagem, isso vai ser bastante fácil...
Poste esses novos textos, eles são interessantes

IVO BITENCOURT disse...

Gabriel.
Na primeira postagem eu consegui modificar, nas outas não consigo.
Porque você não posta esses textos?
Como assim, não estão postados?
ou você não sabe como modificar?
É isso mesmo , não sei.

IVO BITENCOURT disse...

CAMINHOS DA ESPIRITUALIDADE
Mens agitat molem (Virgilio)
O espírito anima a matéria.

A espiritualidade é uma manifestação intuitiva da realidade espiritual do ser humano. O espírito de Deus criou o universo e a vida em todas as suas espécies, e o homem primitivo no seu espanto inicia, diante dos fenômenos da natureza, por não compreendê-los, atribui-os a manifestações dos deuses que ele passou a criá-los, como o deus do trovão, dos mares, dos montes, das matas, da caça, das colheitas.... E assim teve início o caminho místico, que se ramificou nos mitos e religiões. Mas o Deus em “Espírito e Verdade” sempre esteve encoberto sob uma névoa na consciência humana, mesmo porque a mística nunca pôde provar a existência de Deus, a não ser na certeza da fé, naquilo que se espera que seja verdade.
No século VI a.C. a consciência humana já tinha atingido um grau de desenvolvimento, a ponto de produzir homens com pensamentos mais racionais, tanto no oriente como no ocidente. Na jônia, na Ásia menor, ali tomaram corpo as primeiras idéias sobre as quais iria se erigir o pensamento ocidental. Homens coma Tales de Mileto, Anaximandro, Anaxímenes, Parmênides, Heráclito, Anaxágoras, e outros, resolveram dispensar os deuses e as explicações mitológicas sobre a origem do mundo e iniciaram suas investigações com o uso da razão sobre a natureza, com a pergunta: o que é a physis?
Mais tarde, no século IV a.C. Leocipo e Demócrito desenvolveram o conceito atômico. Eles afirmavam que a matéria era composta pela combinação de átomos.Essa idéia ficou guardada por mais de dois mil e duzentos anos. No final do século XIX os cientistas retomaram a antiga idéia e com novas pesquisas, reduziram a matéria aos seus átomos. Mas o reducionismo não parou aí. Foram construídos aceleradores de partículas para desintegrar o núcleo dos átomos, liberando energia e calor, separando seus componentes: prótons e nêutrons. Quando os cientistas reduziram esses elementos, constataram que eles provinham de outras sub-partículas, os quarks, que provinham provavelmente da partícula Higgs, uma onda gigante que se formara, pela flutuação das energias do vácuo quântico, dando início à criação da matéria.
Assim a ciência percorreu o caminho inverso da criação. Não descobriu o Deus da mística, mas descobriu a fonte geradora da matéria e do universo, o vácuo quântico, que é pura energia ou puro espírito. Para entendermos essa nova visão da realidade, trazida à luz pela física quântica, não devemos conceber a matéria separada do espírito, como propôs Descartes, mas a matéria como espírito condensado submerso num oceano espiritual, assim como uma jarra com água e uns cubos de gelo. As moléculas do gelo e da água são da mesma natureza, só que estão com as vibrações moleculares diferenciadas.
Para continuarmos no caminho místico, devemos revisar alguns conceitos sobre a matéria, já que ela é o espírito visível e está permeada pelo espírito invisível. (“já foi dito à dois milênios, o reino de Deus está dentro de vós”). Os nossos pensamentos, especialmente em forma de oração, meditação e imaginação carregados de emoção, são ondas amplificadas de energia que influenciam o campo quântico espiritual e retornam a nós como resposta ao que designamos. A consciência ecológica também é um caminho da espiritualidade, pois visa a nossa harmonia com a natureza.
Olhai as gardênias dos prados e “os lírios dos campos”, porque as flores podem ser o sorriso de Deus.
Ivo da Silva Bitencourt 18/10/2007
NB. As citações entre aspas são dos evangelhos.

Andréa Silva disse...

Oi Ivo!
Grata pelo elogio! Gosto também da sua linha de raciocínio. Quando querem separar matéria e espírito é que a confusão começa. Na verdade tenho a compreensão de que Deus é, ao mesmo tempo a causa e o efeito. O criador que criou de si mesmo. Quando dizemos que ele criou do nada deveríamos dizer que ele criou de si mesmo. Toda a natureza nos mostra isso mas nos custa acreditar que Ele tenha criado inclusive o mal. Os contrastes, por estranho que nos pareça admitir é que fazem a beleza da criação. Fosse a criação toda composta de um só tipo de evento e seria tediosa e não bela como a conhecemos.
E estamos nós aqui desde tempos imemoriais assumindo milhares de formas diferentes que não seremos jamais capazes de sequer imaginar.
Deus é tão material e espiritual quanto eu e você. É tão comum que tentamos separá-lo da criação, como se isto fosse possível. Imaginar um ser a parte da criação não tem a mínima lógica. Para além da criação não havia nada e se este nada havia, foi deste nada que tudo foi criado. E esse nada para criar teve que se tornar algo e para isso teve que tirar esse algo de si mesmo. Portanto esse nada e esse tudo são uma e a mesma coisa. Tudo o que veio depois são desdobramentos dessa criação e são portanto a própria. Talvez, devessemos pensar em um Deus/Deusa, infinito em suas possibilidades. Uma unidade que se cindiu para dar corpo à criação. Pelo efeito podemos imaginar a causa. Mas é preciso ter olhos de ver, meu caro amigo. Toda a parafernália da física quântica jamais poderá criar esse momento inicial, mas isso não nos impede de tentar compreender. Vejo o universo inteiro como um organismo buscando constante omeostase como todos nós. Como disse Einstein, o mais incompreensível no universo é que ele é compreensível.

IVO BITENCOURT disse...

Andrea
A matéria é energia em vibração molecular, quando a matéria entra em combustão, libera grande parte de energia em forma de luz e calor, que vai perdendo a energia cinética e retorna ao fundo eterno da energia escura. Portanto a matéria é o espírito de Deus condensado em vibração. O bem e o mal são partes do todo que se manifestam na existência humana.